jovemmae

Para ser mãe não precisa deixar de ser mulher - Palestra Luiz Hanns - Seminário Pais e Filhos

16:10

No domingo (15/05) eu participei do Seminário da Revista Pais e Filhos "Mãe também é gente!" e vou contar um pouquinho aqui para vocês sobre as palestras que assisti e o quanto de aprendizado conseguir colher. Evento maravilhoso, e terá edição no segundo semestre e com certeza estarei presente também, recomendo a todas, um dia agradável e adquirindo muito conhecimento e podendo pensar sobre nossa maternidade e vida do casal "fora da caixinha". 


Essa foi a última palestra que assistimos no evento, o Luiz Hanns é psicólogo, pesquisador e terapeuta de casal há mais de 20 anos, pai da Antonia e da Julia. Fez uma palestra maravilhosa, onde o tempo voou, usando situações que ouviu no seu consultório e até situações que ele mesmo vivenciou em sua família, deu muitas dicas para nós mamães não deixarmos de ser mulher mesmo após a maternidade, e também nos deus algumas dicas sobre como lidar com os namorados/maridos/companheiros em algumas situações.

Começamos a palestra com alguns dados sobre a vida da mulher após a maternidade, você se identifica com algum? 
Por muito tempo depois que o Muri nasceu, eu começou pegando sempre a primeira roupa que eu via no armário, isso foi prejudicando cada vez mais a minha auto-estima. Hoje procuro me organizar e pelo menos separar a roupa que vou usar na noite anterior.
Nunca gostei de usar salto mesmo antes de ser mãe, depois o Muri nasceu deixei de usar mesmo, uso só quando vamos a algum evento que exija que eu vá de salto, casamento, formatura, reuniões e etc. 
 Nuncaaaaaa usei um jeans mais de 4 vezes sem lavar. hahahaha
 Quem nunca né meninas? Eu já fiz algumas vezes quando o Muri era bebê.
 Eu sempre tomo café ou no carro, ou quase na hora do almoço, e mais frequente ainda é ficar sem tomar café.
 Mudei meu corte de cabelo apenas uma vez depois que o Muri nasceu, porque não sou muito radical com corte, mas também vivo pintando ele de diversas cores, rs. Hoje sosseguei e para o bem do meu bolso decidi que vou dar um tempo para ele.
 Vida sexual, uma tabu, depois que temos filhos. Não lembro de ter esperado tanto não, se não me engano voltamos a ter relação 3 meses depois que o Muri nasceu. Não podemos negar é bem complicado, por cansaço e tudo mais, imagino para quem é mãe de mais de um filho como fica, o Dr. Luiz deu algumas dicas legais sobre esse momento que eu vou deixar aqui para vocês também.
O que te faz se sentir mais mulher que mãe?  Que pergunta difícil né gente? Eu sempre digo que cuidar de mim, me faz sentir muito mulher, me faz sentir uma paz comigo mesma por eu estar ali tirando um tempinho para mim, mas também não posso negar que adoro receber um elogio do Rapha sair sozinha com ele, momento assim também me deixam feliz. Me maquiar também me faz sentir MARAVILHOSA e pronta para encarar tudo, por mais que o cansaço me vença na maioria dos dias.
Imagem: Site Pais e Filhos www.paisefilhos.com.br
Dr. Luiz começou a palestra falando sobre o que a maioria dos casais espera ao pensar em ter um filho, primeiro que sempre somos levados pela imagem da coisa, um bebê recém-nascido é super fofinho, lindo e da vontade de ter em casa. Mas na realidade, a coisa acaba sendo bem diferente do que estamos imaginando. A maternidade acaba parecendo algo tão bonito, porque editamos a imagem dos momentos bonitos em nossa cabeça, porque o sorriso do nosso bebê compensa todo o cansaço.

A pressão social que as mulheres sofrem da sociedade é enorme, ele usou como exemplo o quanto é espantoso para toda a sociedade ver um pai fazendo os papéis que a sociedade designou que devem ser feitas pela mulher, como por exemplo, lavar uma roupa, cuidar do filho sozinho e etc. Já com a mulher as coisas estão tão "normais" que ele não recebe um elogio por estar exercendo a sua função, porque estar cumprindo multi-tarefas.

As mulheres também trabalham, também estão cansadas e atarefadas, a sociedade precisa aprender sobre o quanto a mulher é incrível. É tanta pressão social sobre a mulher, isso é também uma dificuldade para a mulher, e sempre dizem que "ah tem que fazer sexo, tem que estar feliz, tem que agradecer". E então entramos e em um assunto muito interessante para todas nós, a mulher precisa estar relaxada para fazer sexo, raramente a mulher tem coisas como os homens com pico de testosterona todos os dias de manhã, as mulheres precisam de um estimulo para estar prontas para o sexo, numa situação onde a mulher estar sempre estressada e cansada é normal que a relação sexual do casal seja afetada. O sexo não é uma decisão "vamos fazer sexo", e você ir ser arrumar, se maquiar. Você precisa estar bem e relaxada e se sentindo bem com a situação.

Para ter uma situação onde você possa se sentir bem e relaxada, a mulher precisa de um suporte, seja ele familiar, do companheiro ou de amigas e etc, para tornar os seus dias menos cansativos e pesados.
Quando a situação o dia a dia esta pesado, totalmente comprometido por todas as tarefas com filhos, trabalho, cuidados com a casa e tudo que a demanda, o "eu" dela acaba sumindo, e a mulher acaba se abrigando na função de mãe, e esquecendo do seu lado mulher.

“Mulheres ficam muito mais calmas quando têm um suporte. Quando ela não tem um parceiro que realmente esteja presente, a mulher vai ficando sozinha, cansada e frustrada. Elas sofrem e isso não é algo que resolvemos de forma simples”, afirma.

Mulheres costumam dizer as coisas de superficial, não querem sempre estar cobrando, pedindo, dizendo quer isso ou aquilo, nós procuramos sempre dar algumas dicas para que o nosso parceiro perceba que estamos precisando de um suporte, de atenção, de carinho e etc. Porém, os homens (muito deles) não costumam prestar muita atenção em coisas que não são claras, eles precisam que tudo seja dito da forma que tem que ser feita.

Quando a mulher alcança esse ponto citado pelo Dr. Luiz de cansaço, de frustração o relacionamento esta inteiramente ligado a isso, assim começam as brigas e muitas das vezes estão relacionados ao términos dos casamentos.
A mulher precisa de um suporte.

Não vai ser tão fácil explicar tudo isso para os maridos, e como devemos falar?
De fato nós temos muito a ensinar aos homens. Ser clara com ele sobre a situação que esta te chateando e quando você precisa mais da participação dele. E devemos aprender Três coisas com os homens:
– Não é necessário (e nem possível) atender todas as demandas;
   Listar todas as suas demandas diárias e selecionar as mais importantes. Se por algum motivo não conseguir atender a todas, buscar entender que tudo bem, realmente não conseguimos atender a todas as demandas, também somos seres humanos, e as pessoas precisam entender que temos um limite, onde conseguimos atender a todas as solicitações. Aprender a dizer "NÃO" em algumas situações também é MUITO importante.
– Autorizar-se a ter o momento de descanso;
   Deixas de lado a pressão social, e assumir que você precisa de uma hora de descanso. Para nós o dia costuma ter 24 horas, pois somos solicitadas o dia todo, até mesmo depois que chegamos em casa do trabalho ou que trabalhamos o dia todo em casa, nunca paramos. Precisamos dar limites ao nosso dia, eu vou cumprir os meus compromissos durante 12 horas e vou me autorizar ao descanso porque também precisamos. E mais uma vez precisamos aprender a dizer "NÃO".
– Não viva com expectativas ou linguagem implícita.
   Expressar os seus sentimentos e não criar expectativas sobre as situações, ser clara com o seu companheiro e dizer sempre o que quer e o que esta sentindo.  Dr. Luiz usou uma dica muito engraçada que ficou marcado em mim e com certeza vou usar, "O homem precisa que você diga, repita, segure em suas mãos, olhe bem nos olhos dele e repita novamente o que você disse, repita mais uma vez e peça para que ele repita o que você disse!" Pode ser que ele lembre só pela metade do que você disse, isso não é grave, é o jeito do homem eles são diferentes.
Fazendo tudo isso vamos estar buscando o nosso "eu" que sumiu, vamos estar buscando o nosso relacionamento melhorando com a situação, para que tudo isso aconteça é preciso sim, que o seu companheiro esteja muito disposto a estar tentando esse novo jeito, as coisas não mudam de um dia para o outro é preciso muita dedicação e atenção nos pequenos detalhes. E já vou tentar e venho contar tudinho para vocês! ♥

Para ter mais conteúdo sobre esse assunto para vocês, eu comprei um dos livros do Dr. Luiz Hanns.
“Equação do Casamento”, lançado em 2013, que apresenta seis dimensões que as pesquisas mostram ser cruciais para que marido e mulher permaneçam casados e felizes: compatibilidade psicológica, saber conviver a dois, graus de consenso, atração sexual, ciclos de vida, pressões e frustrações externas e vantagens de permanecer casado.


You Might Also Like

0 comentários

Obrigada pela visita!