2016

Evento Bepantol Baby - Décimo Mês

10:00

Um dos eventos mais gostosos que eu já participei, a Bepantol Baby nos convidou para um bate-papo e lançamento de uma campanha muito legal para nós mamães, em comemoração ao Dia das Mães, eles lançaram a campanha Décimo Mês 

A campanha consiste em focar na mãe nesses primeiros dias de vida do bebê, pelo menos o primeiro mês, onde muitas mães se sentem solitárias, sozinhas e quando temos a maior oscilação de sentimentos. O primeiro mês para uma mãe de primeira viagem, é o mais assustador do mundo, somos cobradas pela sociedade e nos cobramos como nunca, é o momento que descobrimos o lado B da maternidade, aquilo que ninguém te contou, aquele momento que você se depara com a realidade e que acaba quebrando todas as suas expectativas anteriores.  




O meu Décimo mês foi um momento assustador, onde eu passava meu tempo de pijama, não me cuidava, ouvia muitos palpites, não sabia se estava fazendo certo ou não, que eu chorei horrores, que eu me senti a pior mãe do mundo e depois a melhor mãe do mundo, foi o mês que eu mais briguei com o Rapha por motivos que nem eu lembro, e se duvidar motivos que a minha cabeça inventava. E como uma pessoa disse hoje no evento, foi o momento de pânico, assustador, de ver todos saindo, continuando a sua vida e eu ali cuidando do bebê. 

Quantas vezes no seu Décimo Mês, alguma visita chegou na sua casa e te perguntou "Como vocês está?" após o nascimento do bebê, a mãe fica mais esquecida, e as pessoas esquecem que é um momento que também precisamos de atenção, de carinho, de uma amiga que possa nos ouvir, só ouvir, contar tudo o que estamos sentindo e passando., desabafar. Uma amiga para ficar com o bebê no banheiro batendo um papo, enquanto você toma um banho tranquilo olhando para o seu bem mais precioso, essa foi uma dica da Doula que estava no evento que me chamou MUITO atenção, que bem faz ter um momento assim já imaginaram?  

No meu Décimo Mês após uma cesárea, por querer e tentar ser a mãe perfeita que todos me falavam e idealizavam, eu fiz MUITO esforço, pegava as coisas no chão, andava queria sempre estar perto ajudar em tudo, então os meus pontos infeccionaram, comecei a tomar antibiótico no 7º dia do nascimento do Muri. Depois desse dia do antibiótico, eu me sentia a pior mãe do mundo, eu só chorava todos os dias, eu só queria a minha mãe e alguém para me dizer que tudo aquilo era normal, que se não deu certo amamentar o meu filho, tudo bem, não sou a pior mãe do mundo por ter que dar fórmula pra ele. Desde então começou a minha depressão, ver o Raphael seguindo a vida dele e eu ali pensando somente no Murillo, em como seria o próximo dia, a próxima madrugada, o que eu estava fazendo de certo, o que eu estava fazendo de errado e cheguei até a pensar o que as pessoas estavam pensando de mim. Bom comecei a colocar na minha cabeça que o peso era todo meu, que o Rapha não estava fazendo nada e nem passando por nada, para quem não sabe o pai do Muri acordou TODAS AS MADRUGADAS, deu banho, trocou, me ajudou de todos os jeito, e para mim isso não era nada no momento da depressão pós-parto eu estava sozinha e ninguém me ajudava. 

Para lançar a campanha no Brasil, a marca realizou um bate-papo, com a presença da jornalista Rosana Jatobá, a modelo e ex-BBB Adriana Sant’Anna, a ginecologista e obstetra Caroline Ambrogini, a psicóloga Ana Merzel e a doula Janie Paula. No encontro, as convidadas, que também são mães,  abordaram assuntos relacionados ao primeiro mês da mulher após o nascimento do filho e a importância de uma rede de apoio para que essas mães durante o Décimo Mês.

Você pode acessar a plataforma clicando aqui
    No lançamento da campanha todas nós nos sentimos presente em cada parte do vídeo que vocês puderam acompanha acima, todas nós nos sentimos representada por essa plataforma criada pela Bepantol Baby para que as mães no Décimos Mês possam se sentir acolhidas e saibam que tudo isso no Décimo Mês é normal, que tudo isso passa. Essa é uma forma também de mostrar para os nossos familiares e esposos, namorados e afins, o quanto precisamos deles nesse momento também. 
   No evento a Adriana Sant’Anna nos contou como estava sendo o Décimo Mês pra ela, contando tudinho sobre como foi difícil, sobre o quanto ela chorou, se sentiu perdida e desesperada. Ela contou que procurou não ler muito sobre a chegada do bebê, porque vocês sabem como é a internet né? Muita gente julgando tudo o que fazemos e as MÃES PERFEITAS se rebelam sobre esses primeiros dias, tem mulher que consegue fazer tudo e ser tudo e que é realmente perfeita, você nunca pode reclamar quando se é mãe, porque afinal, você é mãe e está ganhando o presente mais lindo do mundo. Mas gente? Será que as pessoas entendem que ainda somos mulheres depois de mãe, ser humano, que você pode se sentir perdida, cansada, estressada e etc? 
    Ela contou sobre a importância do Rodrigo (seu marido) nesse momento, o quanto ele a apoio ficou do seu lado e fez tudo o que ela estava com "medo" no momento, todos os banhos, trocas e etc que ele fez para ajudar, as madrugadas com ela e etc. Adriana contou que teve depressão pós-parto também, mostrando que mesmo quando a gravidez é planejada podemos ter depressão, o que foi explicado pela ginecologista Caroline Ambrogini que algumas mulheres possuem um agravante para depressão que pode ser diagnosticado pelo obstetra já no pré-natal e prevenido. 
No evento eu tirei uma dúvida com a Caroline Ambrogini, sobre a Depressão Pós-Parto para Mães Adolescentes e sim a gravidez na adolescência é um agravante para a Depressão, como já comentei com vocês eu tive Depressão Pós-Parto e após quero escrever um pouquinho mais sobre isso. A psicóloga Dra. Ana nos explicou que a Depressão pode acontecer na segunda gravidez também.

O assunto que mais falamos no evento foi que a nossa expectativa antes do nascimento do bebê para os primeiros dias, não coincidem com a realidade que vivenciamos, no primeiro momento a mulher sente muita solidão, pois a atenção de todos os familiares esta voltada para o bebê. Como se todas as pessoas voltassem a ter uma vida normal, e você fica ali o dia todo em casa com o bebê.

 A psicóloga Ana Merzel explicou sobre a importância de pesquisar e conhecer sobre a maternidade que vamos enfrentar, com fontes fidedignas, seja com um psicólogo, seu obstetra, sites confiáveis e etc. Fazendo assim desde o começo a imagem real da maternidade que irá enfrentar. 

No começo da maternidade principalmente para mães de primeira viagem é muito difícil associar tudo o que queremos ser, com o que somos cobradas pela sociedade. Por isso, a psicóloga disse que sempre costuma dizer as suas pacientes, "Ter filho, ser mãe é um dos maiores projeto de vida, senão o maior". 

Precisamos sim falar mais sobre as dificuldades da maternidade, a dificuldade encontrada por ser julgada, por ser taxada como pior mãe do mundo, por fazer algo diferente do que a sociedade está acostumada(fora do padrão). Normalizar  as dificuldades da maternidade. Falar tudo que envolve a maternidade, sexo, amor, carinho, atenção, ser mulher, ser filha e etc.  
 Como tirar o foco da Culpa de Mãe? Nos culpamos por tudo o que fazemos sem os nossos bebês no começo da maternidade, geralmente não reservamos nem 30 minutos do nosso dia para nós, a ginecologista Dra. Caroline Ambrogini ressaltou bastante esse assunto e falou sobre a importância de reservamos 30 minutos do dia para nós, um momento só nosso, para conseguirmos nos enxergar nesse momento também. Não queira alcançar o SER MÃE PERFEITA, tirando assim o foco do famoso Culpa de Mãe.♥

Enfim, o evento foi MARAVILHOSO e muito esclarecedor a ideia da Bepantol para um plataforma onde as mães podem encontrar informações para o Décimo Mês é muito legal, e posso confessar que até eu estou acessando para ler os textos e para ter um auxilio na minha maternidade. Espero que vocês gostem e depois me contem o que acharam da plataforma. Quem aqui está passando pelo Décimo Mês? 

Temos MUITOS assuntos do evento para tratar aqui no blog ainda, aguardem!♥

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada pela visita!